Seguro Empresarial

Seguro obrigatório para transportes e cargas. Vale à pena fazer.

Seguro obrigatório para transportes e cargas. Vale à pena fazer.

Roubo de carga no Brasil gera mais de 6 bilhões de prejuízo.

De acordo com o jornal O Globo, foram 97.786 ocorrências entre 2011 e 2016. A cada 23 minutos uma carga é roubada no país. A matéria do O Globo ainda aponta que,  “Em uma lista com 57 países, o Brasil é o oitavo mais perigoso para o transporte de cargas. Em 44 dias, o Brasil registrou o número total de roubos de cargas nos Estados Unidos e Europa juntos em um ano inteiro”.

Estamos enfrentando uma série de problemas de ordem coletiva, tanto na política quanto na economia brasileira. A maioria desses problemas, mesmo que nos afete diretamente, não podem ser solucionados de imediato, no entanto, devemos estar sempre prevenidos e buscar nos defender antecipadamente. Esta é a melhor maneira de nos mantermos seguros em meio a tanta insegurança.

Essa notícia me chocou tanto que resolvi esclarecer aqui, sobre o seguro de cargas para transportadores e donos de carga.

O Seguro de carga e transporte é obrigatório

O seguro de carga RCTR-C: Responsbilidade Civil Transporte de Carga foi regulamentado pelo Decreto Nº 61.867, promulgado em 07/12/1967. É o seguro obrigatório para todo transportador que possui registro na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

O transportador que não tiver a apólice obrigatória do seguro de carga RCTR-C não conseguirá renovar seu registro na ANTT.

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou Comunicado a respeito do Seguro de Responsabilidade Civil contra perdas ou danos causados à carga (RCTR-C). De acordo com o comunicado, toda operação de prestação de serviço de transporte realizada por quaisquer categorias de transportador deve estar acobertado pelo seguro RCTR-C, o qual deve ser contratado pelo próprio transportador ou pelo contratante do serviço. É obrigatório constar informações da apólice de seguro e o número de averbação gerado no documento que acoberta a operação. Fonte: ANTT (clique aqui para baixar o comunicado no site oficial)

O RCTR-C trata da responsabilidade civil por danos a terceiros, relacionado ao transporte rodoviário. Pode ser acionado em todo o território nacional e garante indenizações por acidentes como:

  • Colisões;
  • Incêndios;
  • Capotamentos;
  • Abalroamentos;
  • Explosões;

O Seguro de carga é uma cobertura temporária que se inicia na hora em que o transportador recebe a carga, terminando no momento da entrega da carga. Ele se divide em duas categorias: Transporte e Responsabilidade Civil.

O RC-DC – Responsabilidade Civil Desaparecimento de Carga. Ele é facultativo e garante:

  • O furto simples ou qualificado;
  • A apropriação indébita;
  • O estelionato;
  • A extorsão simples ou mediante sequestro e roubo.
TRANSPORTE  (EMBARCADOR)– Contratado pelo vendedor ou comprador da carga (Dono da mercadoria).
RESPONSABILIDADE CIVIL TRANSPORTADOR – Contratado pelo transportador.

Este tipo de seguro pode ser contratado para exportação/importação ou para o transporte de cargas em território nacional, cobrindo danos e perdas nos casos que se utilizam de apenas um meio de transporte (rodoviário, aéreo, ferroviário, marítimo, fluvial) ou mais de um meio de transporte, chamado multimodal.

Quem deve contratar o seguro?

Essas duas categorias de seguros, transporte e responsabilidade civil não se confundem, não se misturam também as definições dos envolvidos, ou seja, o transporte é uma prestação de serviço e a carga é um bem, um patrimônio, cujo proprietário deseja transportar.

Por isso devem ser contratados dois tipos de seguros, sendo um pela transportadora e outro pelo dono da carga. De acordo com o Decreto 61.867/67, que regulamenta a obrigatoriedade de seguros no país, ambos devem contratar o seguro a partir de apólices distintas. Importante lembrar que são seguros temporários, prevalecendo apenas entre o período da saída até a a entrega da carga. O carregamento e o descarregamento da carga não são segurados obrigatoriamente e necessitam de uma cobertura adicional.

O seguro da operação de transporte deve ser feito pelo prestador de serviço e cobre acidentes com o veículo transportador, avarias particulares, roubo e furto, sendo que esta cobertura é obrigatória em conjunto com o seguro de Responsabilidade Civil.

O que é o seguro de transporte de carga?

Trata-se de uma apólice específica que, mesmo sendo denominada “All Risks”, ou seja seguro contra todos os riscos, devido à sua ampla cobertura, mantém riscos excluídos e bens não cobertos. Nesses casos não haverá indenização.

O dono da carga faz o contrato e ele cobrirá os principais danos à carga nos casos de acidente com o veículo transportador, desvio da carga, armazenamento, roubo e furto. Danos decorrentes da operação de transporte e dependendo das características do seguro contratado.

O que é o Seguro de Responsabilidade Civil do Transportador

O Seguro de responsabilidade Civil indeniza danos causados a terceiros durante o transporte da carga.  É um seguro restrito e garante a indenização ao dono da carga em casos de acidente com o veículo de empresa transportadora.

Como é o seguro do embarcador ou dono da carga?


  • O Seguro de Transporte Nacional deve ser contratado pelo proprietário da carga e é um seguro obrigatório
  • Pode usar frota própria ou transporte contratado de uma empresa ou autônomo
  • Indeniza:
  • Danos e prejuízos causados à mercadoria durante o transporte em quaisquer vias, sejam terrestres, aéreas ou sobre a água

    Em caso de acidente com o veículo, provocado por colisão, capotagem, abalroamento, tombamento, incêndio ou explosão, danos e prejuízos causados à mercadoria durante o transporte em quaisquer vias, sejam terrestres, aéreas ou sobre a água

    Em caso de acidente com o veículo, provocado por colisão, capotagem, abalroamento, tombamento, incêndio ou explosão Roubo das mercadorias transportadas por ação de assalto à mão armada ou desaparecimento da carga (quando o veículo também é roubado)

  • A cobertura contra roubo, no entanto, precisa ser contratada adicionalmente
  • Pode ser contratado para transporte nacional e internacional (importação e exportação)
  • No caso de transporte internacional a apólice pode contar com coberturas especiais

O que é o seguro de Responsabilidade Civil para transportes de cargas?

  • É um seguro obrigatório e deve ser contratado pelo prestador de serviço de transporte
  • Normalmente chamado de Seguro Acidente
  • Garante ao transportador o reembolso de indenizações que ele seja obrigado a pagar por danos e prejuízos causados às mercadorias transportadas
  • No caso de transporte rodoviário, a cobertura básica indenizará:
  • Colisão

    Capotagem

    Abalroamento, Incêndio e explosão

  • É válido para todo o território nacional
  • Pode ser contratado para transporte nacional e internacional (importação e exportação)
  • No caso de transporte internacional a apólice pode contar com coberturas especiais.

Devo ir além dos seguros obrigatórios?

Os transportadores contam ainda com um seguro facultativo para cobrir o desaparecimento da carga, quando a carga é desviada juntamente com o veículo transportador. Denominado RC-DC.

Este seguro não é obrigatório, no entanto, pode ser entendido como um seguro complementar ao Seguro Acidente e garante contra o roubo de carga, abrangendo ações de grave ameaça e violência.

Por que é importante fazer o contrato de Seguro Transporte?

Mesmo sendo um seguro obrigatório, muitas pessoas têm dúvidas quanto à sua importância e vantagens. Já vi casos em que empresas perderam muito e entraram em grandes dificuldades apenas por não ter contratado esse seguro. A verdade é que o valor pago é muitas vezes menor que o prejuízo com o qual a empresa terrá obrigação legal de arcar caso haja um acidente qualquer. Ele deve ser visto como uma garantia do seu investimento.                          Principalmente quando falamos de transporte rodoviário no Brasil, os riscos são enormes e constantes. O empresário deve estar um passo à frente, prevendo problemas e construindo soluções antes que os desastres aconteçam               À partir de outubro de 2017, todos os transportadores rodoviários devem informar os dados do seguro no MDFe. Ou seja, esta informação que antes era adicionada no Conhecimento de Transporte (CTe), passa a ser inserida no MDFe.                                                                                                                                                                            Com esta mudança, o CTe passou a conter informações mais voltadas para os dados de contratação e para questões fiscais.                                                                                                                                                                                             Assim, hoje a função do CTe é informar corretamente dados como: remetente, destinatário e tomador, além de códigos fiscais e apuração de impostos. Já o MDFe passou a conter os dados mais relacionados à viagem em si.

O que significam as rejeições 698 e 699 no MDF-e 3.0

Como você viu acima, as informações sobre a averbação da carga devem ser adicionadas no Manifesto Eletrônico (MDF-e).                                                                                                                                                                                                  A falta dessa informação gera as rejeições 698 e 699 no MDF-e, impedindo que este seja validado. Vejamos o que significa cada uma delas:

  • Rejeição 698 : Seguro da carga é obrigatório para modal Prestador de Serviço de Transporte no modal rodoviário
  • Rejeição 699:  Dados do seguro de carga incompletos para o modal rodoviário

Como resolver as rejeições 698 e 699 no MDF-e 3.0

Se o responsável pelo seguro for o emitente (transportadora), informar:

  • Número da apólice do seguro;
  • Número da averbação.

Se o responsável pelo seguro for a contratante do serviço de transporte (remetente ou destinatário), informar:

  • Numero da apólice do seguro;
  • Número da averbação;
  • Número do CNPJ/CPF do responsável pelo seguro;
  • Número do CNPJ da seguradora.

Quanto mais contratos e mais fretes, mais barato ficará o seguro

Manter os contratos para todos os fretes permitirá uma negociação mais interessante com descontos na hora de contratar o seguro. No caso de transportes rodoviários, ainda encontrei no site Frete Com Lucro e passo para você aqui, 10 dicas infalíveis para economizar no seguro de trasportes.

A Lima e Figueiredo preparou um atendimento especial para transportadoras e donos de cargas, entre em contato conosco para avaliar o seu seguro.

Clique no chat em nossa página, no canto inferior direito, para que possamos apresentar as vantagens que oferecemos.
Eu sou o Marcelo Figueiredo, CEO da Lima e Figueiredo Seguros. Nossa missão é informar o cliente e atendê-lo, desde a compra até o acionamento em caso de sinistros. Conte comigo. Envie suas dúvidas e comentários ou fale diretamente pelo WhatsApp (35) 9 8898-4844. Quero conhecê-lo cada vez mais para atendê-lo cada vez melhor.


Converse agora comigo pelo WhatsApp (35) 9 8898-4844

Eventos climáticos causam danos.

Eventos climáticos causam danos.

Eventos climáticos vem causando danos ao patrimônio dos habitantes do Sul de Minas, com maior frequência no decorre dos anos. Essa região apresenta um clima característico de invernos secos e…read more →

What do you want to do ?

New mail

Escrito por Marcelo Figueiredo Em Notícias L&F, Seguro Empresarial, 0 comentários
Empreender no Brasil em meio à crise.

Empreender no Brasil em meio à crise.

ficar seguro na crise

Ele foi obrigado a ouvir a história contada para muitos outros na mesma situação que ele, o problema é o Brasil, a economia, a falta de dinheiro, corte de custos, etc.

Muitas pessoas ficaram desempregadas nesses últimos 7 anos no Brasil. Perderam sua segurança financeira de uma hora para outra. Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas, esse acontecimento só aumenta com a diminuição de cargos e a demissão, às vezes em massa, que alcança diversos setores da economia. Muitas pessoas passam a empreender na expectativa de buscar uma renda.

A crise é só de emprego e finanças?

Não! Para entendermos isso melhor, temos que entender a diferença entre financeiro e econômico. Tá acompanhando? Vamos continuar então, financeiro é relativo ao dinheiro que você tem e utiliza para sua vida diária, seja para comprar seu alimento, pagar a escola do seu filho, comprar um carro. Quando falamos em economia, nos referimos ao que você tem, seus bens imóveis representam sua situação econômica. Por isso podemos conhecer alguém que tem uma situação econômica estável e, ao mesmo tempo, uma situação financeira um tanto apertada.

Uma saída para a crise

Meu amigo e muitas outras pessoas acharam a saída e hoje são microempresários ou microempreendedores. Veja alguns dados que comprovam isso. Pesquisas demonstram, que o número de empreendedores, de ambos os sexos, que iniciam negócios próprios tem aumentado consideravelmente.

Desde sua criação há 9 anos, o MEI (Micro Empresário Individual) contabilizou quase seis milhões de formalizações. Se somarmos MEIs e MPEs (Micro e Pequenas Empresas), esse número salta para, aproximadamente, 10,5 milhões.

Negócio próprio dá certo?

Sim, só entre 2009 e 2016 o MEI sai de zero para 6 milhões de empreendimentos, movimento que foi alavancado com a crise. Nem todos obtêm sucesso, é verdade, e a falência, nos primeiros três anos de negócio é alta no país. Você pode obter mais informações aqui.

Uma coisa é certa, quem inicia um negócio próprio confia no sucesso e deseja segurança para seu investimento.

Li esta matéria e a separei para você que quer empreender. São dezoito dicas são dadas por especialistas que conhecem de empreendedorismo, leia aqui.

 

No sucesso ou no fracasso, é preciso estar atento à segurança

O brasileiro, de um modo geral, não conserva bons hábitos no que relaciona à sua segurança e saúde, no entanto, a boa notícia é que cada dia fica mais fácil e barato buscar soluções que minimizem os riscos para o profissional liberal e/ou empreendedor que deseja ter um negócio próprio.

 

O que posso fazer se não puder trabalhar

Quanto mais sucesso você faz, mais segurança, você e sua família precisam. Imagine que você, profissional liberal ou MEI, médico, dentista ou profissional de qualquer outra área que seja obrigado(a) a trabalhar para garantir o seu negócio funcionando 6 dias por semana durante todo o mês.

Agora imagine que ocorreu um imprevisto e você ficou impossibilitado de trabalhar, vai ter que se afastar por uns dias, por exemplo, para tratamento. Diferentemente de um assalariado, o empreendedor não tem garantias de recebimento e o INSS, na maioria das vezes, não vai cobrir o que você necessita.

Nâo perca o que construiu por causa de um imrevisto

É hora de ter um seguro para o seu dia-a-dia

Ele vai garantir a manutenção da sua família, da sua despesa, mesmo que você esteja afastado do trabalho. E isso existe. Você pode contratar um seguro específico para pagar os dias parados por impossibilidade de cumprir suas tarefas profissionais. Sabia?

Este tipo de seguro pode se ajustar à sua profissão ou tipo de negócio. Faça uma simulação grátis conosco

Você pode ainda, garantir sua aposentadoria sem sustos e sem ter que enfrentar reformas ou mudanças inesperadas nas regras impostas pelo governo. Os danos e perdas no seu negócio também podem ser cobertos. Você pode ter tudo isso e outros benefícios. 

 

Cada vez mais, profissionais liberais e empreendedores têm feito planos de previdência privada

Instabilidade na política nacional, mudanças inesperadas nas regras econômicas, e uma reforma aniquiladora na previdência. Para quem trabalha por conta própria isso significa mais tempo de trabalho e mais gasto com INSS. Os profissionais liberais estão cada vez mais preocupados com a possibilidade de se aposentarem apenas aos 65 anos e, ainda assim, com um salário tão pequeno que não cobrirá despesas básicas. Pagar o mínimo ao INSS, por exemplo, não garante mais uma aposentadoria completa, pelo contrário, não garante mais nada.

Neste cenário, muitos profissionais liberais e empreendedores, donos dos seus próprios negócios já descobriram as vantagens e estão optando por planos de previdência privada, faça uma simulação e descubra porque eles estão fazendo isso.

A previdência privada pode gerar uma boa renda

Sim, é verdade, mesmo com uma pequena contribuição mensal, em geral menor do que a contribuição paga mensalmente ao INSS, pode render uma aposentadoria melhor, com mais dinheiro e tranquilidade que a aposentadoria governamental (pelo INSS).

Comece agora mesmo a garantir o seu futuro e daqueles que você ama. e, lembre-se, esse tipo de seguro previdenciário é ideal mesmo quando você já paga o INSS. Neste caso ele vai ser transformar em uma renda adicional, mensal, composta com sua aposentadoria.

Melhor ainda para profissionais liberais e autônomos que estarão garantindo uma boa aposentadoria, quando desejar parar com suas atividades profissionais.

Preparamos uma simulação de Seguro Previdenciário especialmente para você. Clique em nosso chat, no canto inferior, lado direito da pagina e fale com um de nossos consultores.

 

Eu sou o Marcelo, CEO da Lima e Figueiredo Seguros. Nossa missão é informar o cliente e atendê-lo durante toda sua jornada, desde a compra até o acionamento em caso de sinistros. Conte comigo. Envie suas dúvidas e comentários ou fale diretamente pelo WhatsApp (35) 9 8898-4844.

Converse agora comigo pelo WhatsApp (35) 9 8898-4844

 

Acho que você pode se interessar também por:

Porquê fazer um seguro de vida?

Proteção, Segurança e seu lar

Air Help! Este site pode ajudar onde o seguro não cobre

Para que mais pode servir um seguro de vida?


Eventos climáticos causam danos.

Eventos climáticos causam danos.

Eventos climáticos vem causando danos ao patrimônio dos habitantes do Sul de Minas, com maior frequência no decorre dos anos. Essa região apresenta um clima característico de invernos secos e…read more →
What do you want to do ?

New mail

What do you want to do ?

New mail

What do you want to do ?

New mail

Escrito por Marcelo Figueiredo Em Seguro Empresarial, 0 comentários